Pular para o conteúdo principal

PAPO DE JOÃOZINHO E MARIAZINHA



Joãozinho: Você ouviu  falar sobre o escândalo do governo PT?
Mariazinha: Aquele do mensalão?
Joãozinho: Não, aquele outro.
Mariazinha: Aquele do mensalinho?
Joãozinho: Não, aquele outro.
Mariazinha: Aquele dos aloprados?

Joãozinho: Não, aquele outro.
Mariazinha: Aquele do petrolão?
Joãozinho: Não, aquele outro.
Mariazinha: Aquele do apagão  aéreo?
Joãozinho: Não, aquele outro.
Mariazinha: Aquele dos correios?

Joãozinho: Não, aquele outro.
Mariazinha:Aquele dos dólares na cueca?
Joãozinho: Não, aquele outro.
Mariazinha: Aquele do caseiro  Francenildo?
Joãozinho: Não, aquele outro.
Mariazinha: Aquele da Erenice 6%?

Joãozinho: Não, aquele outro.
Mariazinha: Aquele do Palocci virar milionário da noite para o dia?
Joãozinho: Não, aquele outro.
Mariazinha: Aquele da  Oi/Telemar virar sócia do filho do Lula para o papai mudar a lei e eles comprarem a BrT?
Joãozinho: Não, aquele outro.
Mariazinha: Aquele do BNDES financiar porto em Cuba?

Joãozinho: Não, aquele outro.
Mariazinha: Aquele de renegociar o contrato de Itaipu com o Paraguai?
Joãozinho: Não, aquele outro.
Mariazinha: Aquele de deixar a Bolívia do `Querido Evo' expropriar a Petrobras?
Joãozinho: Não, aquele outro.
Mariazinha: Aquele de transferir o dinheiro da saúde para Cuba contratando curandeiros?

Joãozinho: Não, aquele outro.
Mariazinha: Aquele de comprar caças superfaturados?
Joãozinho: Não, aquele outro.
Mariazinha: Aquele de alterar perfis da wikipédia de  críticas ao governo?
Joãozinho: Não, aquele outro.
Mariazinha: Aquele de impor sigilo aos gastos dos cartões corporativos?

Joãozinho: Não, aquele  outro.
Mariazinha: Aquele de fazer plano de previdência para os netos com cartão corporativo?
Joãozinho: Não, aquele outro.
Mariazinha: Aquele do Ministério dos Transportes?
Joãozinho: Não, aquele outro.
Mariazinha: Aquele do Ministério da Pesca?

Joãozinho: Não, aquele outro.
Mariazinha: Aquele dos gastos da Rose, "amiga" do Lula?
Joãozinho: Não, aquele outro.
Mariazinha: Aquele da refinaria de Pasadena?
Joãozinho: Não, aquele outro.
Mariazinha: Aquele dos bilhões emprestados para o Eike?

Joãozinho: Não, aquele outro.
Mariazinha: Desisto! Ah, já sei! Descobri! Aquele escândalo dos mais de 54 milhões de eleitores desinformados que recebem bolsas e benefícios governamentais financiados com nosso dinheiro e que nos prenderam de novo com a administração mais corrupta e salafrária da história do Brasil?

Joãozinho: Isso, esse mesmo!

Recebido por e-mail
Autor: Desconhecido
Redação/Ilustração: Mood

Postagens mais visitadas deste blog

Biden fala sobre atentado a Donald

"A América não pode se calar!" - Disse o Presidente Americano João Biden. Em seu primeiro pronunciamento após o incidente na Pensilvânia com Donald Trump, Biden pede ao congresso para reabrir o caso Roswell e convoca os agentes aposentados do extinto Projeto Livro Azul. Preocupado com as reações do povo americano ao atentado em que Donald Trump supostamente levou um tiro na orelha; levou uma mordida de pernilongo da dengue; levou uma mordida de Mike Tyson; levou um tiro de um sniper de 6 dedos na mão direita; Biden fez seu pronunciamento 2 horas após o incidente. "Não podemos permitir que invasões alienígenas desviem o foco das eleições mais limpas que o mundo democrático já viu. Onde já se viu, atirar no Pato Donald! O que a Disney fez?" Repórter Esbrignight para o plantão do Jornal Irracional. Texto/Arte: Mood

Taxação no QI dos brasileiros

Haddad, o criador de taxas e tributos, em um momento de nada para fazer, cria a taxação do QI do povo brasileiro. Maior o QI, maior a taxa. Ao passar sua brilhante ideia ao Presidente Lelé da Cuca da Silva, esqueceu-se que seu patrão tem QI zero.

Atentado contra Trump

Mosquito, possivelmente da dengue, morde a orelha de Trump durante discurso em evento de campanha na Pensilvânia. Obviamente o mosquito mordeu o local com maior área de acesso, ou seja, a lapa da orelha de Donald Trump, que facilitou o delito. Tudo aconteceu em uma sequência de fatos que levaram os agentes de sua segurança a agir por instinto e intervir de maneira enérgica. Um sniper da segurança que estava posicionado em cima de um telhado próximo ao evento, foi alvejado por outros agentes. Ao perceberem a reação de Donald Trump levando a mão direita até sua "pequena orelha - maior metro quadrado de seu corpo" e em seguida se abaixar, os agentes focaram no único alvo armado possível, seu próprio agente sniper. Segundo investigações preliminares, o atirador tinha seis dedos em sua mão direita, foi filiado ao partido PSOL no Brasil e ao morrer fez o L com sua mão direita. Mais informações logo mais no Jornal Irracional. Repórter Esbrignight para o plantão Moodcomics. Texto/art