Pular para o conteúdo principal

7 de Setembro, Carnaval ou Natal?

Fio e Fó, os amigos mais malucos do pedaço, estão de volta com um quadrinho antigo. Neste quadrinho, Fio está assistindo ao desfile de 7 de setembro quando aparece a imagem da Presidenta da República, a Dilma Rocoscoff desfilando em carro aberto. Intrigado, Fio não consegue distinguir se está vendo um desfile de 7 de setembro, um desfile de escola de samba ou a chegada de Papai Noel.



Texto/Criação e Ilustração: Mood

Postagens mais visitadas deste blog

Biden fala sobre atentado a Donald

"A América não pode se calar!" - Disse o Presidente Americano João Biden. Em seu primeiro pronunciamento após o incidente na Pensilvânia com Donald Trump, Biden pede ao congresso para reabrir o caso Roswell e convoca os agentes aposentados do extinto Projeto Livro Azul. Preocupado com as reações do povo americano ao atentado em que Donald Trump supostamente levou um tiro na orelha; levou uma mordida de pernilongo da dengue; levou uma mordida de Mike Tyson; levou um tiro de um sniper de 6 dedos na mão direita; Biden fez seu pronunciamento 2 horas após o incidente. "Não podemos permitir que invasões alienígenas desviem o foco das eleições mais limpas que o mundo democrático já viu. Onde já se viu, atirar no Pato Donald! O que a Disney fez?" Repórter Esbrignight para o plantão do Jornal Irracional. Texto/Arte: Mood

Taxação no QI dos brasileiros

Haddad, o criador de taxas e tributos, em um momento de nada para fazer, cria a taxação do QI do povo brasileiro. Maior o QI, maior a taxa. Ao passar sua brilhante ideia ao Presidente Lelé da Cuca da Silva, esqueceu-se que seu patrão tem QI zero.

Atentado contra Trump

Mosquito, possivelmente da dengue, morde a orelha de Trump durante discurso em evento de campanha na Pensilvânia. Obviamente o mosquito mordeu o local com maior área de acesso, ou seja, a lapa da orelha de Donald Trump, que facilitou o delito. Tudo aconteceu em uma sequência de fatos que levaram os agentes de sua segurança a agir por instinto e intervir de maneira enérgica. Um sniper da segurança que estava posicionado em cima de um telhado próximo ao evento, foi alvejado por outros agentes. Ao perceberem a reação de Donald Trump levando a mão direita até sua "pequena orelha - maior metro quadrado de seu corpo" e em seguida se abaixar, os agentes focaram no único alvo armado possível, seu próprio agente sniper. Segundo investigações preliminares, o atirador tinha seis dedos em sua mão direita, foi filiado ao partido PSOL no Brasil e ao morrer fez o L com sua mão direita. Mais informações logo mais no Jornal Irracional. Repórter Esbrignight para o plantão Moodcomics. Texto/art